É essencial tratar a demência desde cedo, pois um diagnóstico precoce abre portas para futuros cuidados e tratamentos.

Ele permite que as pessoas se planejem com antecedência, enquanto ainda são capazes de tomar decisões sobre suas necessidades de cuidado e apoio, bem como questões financeiras e legais. Além disso, fornece a essas pessoas e suas famílias informações práticas, conselhos e orientações para enfrentarem os novos desafios.

Doenças desse tipo são diagnosticadas com base em um histórico médico cuidadoso, que inclui exames físicos, laboratoriais e cognitivos. Com base nos resultados, vários são os tratamentos para demência possíveis — e, neste artigo, vamos apresentar os mais eficazes deles. Continue a leitura para conferir!

Medicamentações

Atualmente, não existe um medicamento capaz de curar a demência, mas é possível aliviar certos sintomas por um tempo ou retardar a sua progressão em algumas pessoas. Entre os tratamentos usados para os distúrbios comportamentais causados pela doença estão os antipsicóticos, os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), os antidepressivos e alguns fármacos que melhoram a cognição.

É preciso ressaltar, contudo, que a medicação se limita a esses sintomas e deve ser apenas uma parte dos cuidados. Informações médicas, atividades, apoio e tratamentos que não envolvem drogas também são importantes para ajudar alguém com demência a viver bem.

Terapias não medicamentosas

Um psiquiatra pode ajudar imensamente o paciente e seus entes queridos, tanto ao fornecer intervenções não medicamentosas quanto ao encaminhá-lo a outros profissionais específicos para isso. Também, ele é capaz de ajudar o cuidador a aprender novas abordagens para o manejo do paciente à medida que a doença progride, o que maximizará os tratamentos para demência e aliviará a sobrecarga desse cuidador.

No geral, as terapias não medicamentosas podem ser feitas durante qualquer fase da demência — o que é essencial porque, como dissemos, os medicamentos ainda oferecem benefícios limitados. Vejamos, a seguir, algumas delas com mais detalhes.

Reminiscência

Grosso modo, essa terapia provoca a recordação de eventos, atividades e lembranças por meio de recursos tangíveis, como fotografias, itens familiares do passado, música e filmes.

Embora recordar eventos recentes (como o que a pessoa comeu no almoço, por exemplo) possa ser difícil para indivíduos com demência, memórias de longa data e importância pessoal podem permanecer facilmente acessíveis. Assim, ao encorajar os participantes a falar sobre experiências passadas, diminui-se a demanda por habilidades cognitivas prejudicadas, ao mesmo tempo em que se estimula as habilidades preservadas.

Terapia de validação

O princípio básico por trás da terapia de validação é comunicar-se com respeito, mostrando que suas opiniões e crenças são ouvidas, reconhecidas, valorizadas e estimadas, em vez de rejeitadas ou marginalizadas. Como a ênfase dessa técnica está na empatia e na escuta, ela costuma ser reconfortante e tranquilizante para uma pessoa que sofre de demência.

Estimulação cognitiva

Tipicamente, a estimulação cognitiva é realizada em um ambiente social (pequenos grupos) e envolve tarefas e atividades baseadas na cognição, incluindo jogos de palavras e quebra-cabeças. Cada sessão aborda um tópico diferente e é projetada para melhorar as habilidades mentais e a memória de alguém com demência.

As evidências até agora sugerem que essa terapia cognitiva pode ser tão benéfica quanto os tratamentos de drogas para os sintomas de demência.

Psicoterapia

A psicoterapia — em particular, suas abordagens comportamentais — pode ser usada para reduzir a frequência ou a gravidade de comportamentos problemáticos, como agressão ou condutas socialmente inadequadas. Basicamente, o seu foco está em identificar o que pode estar desencadeando um comportamento problemático e, em seguida, planejar uma intervenção que mude o ambiente da pessoa ou a reação do cuidador a esse comportamento.

Ainda outras estratégias podem incluir a divisão de tarefas complexas (como vestir-se) em etapas mais simples, ou reduzir a quantidade de atividades no ambiente para evitar confusão e agitação. Vale lembrar, no entanto, que cada uma das intervenções sozinha não consegue interferir no curso da doença. É preciso fazer vários tratamentos simultaneamente para obter alívio nos sintomas da demência. 

Enfim, gostou do nosso artigo? Ainda tem alguma dúvida sobre o que são ou como funcionam os tratamentos para demência atualmente? Entre em contato com a gente e veja como podemos ajudar!