banner agende uma consultaPowered by Rock Convert

Dados do Ministério de Saúde afirmam que, no Brasil, mais de 300 mil pessoas morrem a cada ano por consequência das doenças cardíacas. Esse problema pode afetar indivíduos em qualquer idade, mas os riscos são bem maiores durante o envelhecimento. Tendo isso em vista, torna-se fundamental saber quais são as principais doenças cardiovasculares em idosos.

Genericamente, entende-se por doenças cardíacas quaisquer condições médicas crônicas ou agudas que comprometem uma ou mais regiões ou funções do coração.

No post de hoje, falaremos sobre as principais doenças cardiovasculares que atingem os idosos. Destacaremos, ainda, quais são os seus fatores de risco e qual a importância de procurar um especialista para reduzir os impactos desse problema tão preocupante. Acompanhe! 

Quais são as 6 principais doenças cardiovasculares que atingem os idosos? 

Enumeramos as doenças cardiovasculares que mais afetam a terceira idade. Veja, a seguir, quais são!

1. Hipertensão

Comumente conhecida como pressão alta, essa doença cardiovascular é uma das mais comuns na idade avançada. Considera-se hipertensão quando os valores medidos pelo esfigmomanômetro superam a marca de 140 x 90 mmHg.

No entanto, para ter um diagnóstico mais preciso, o ideal é aferir a pressão em 3 avaliações seguidas e em pelo menos 3 horários diferentes. Também é interessante procurar um cardiologista e se submeter ao monitoramento cardíaco para ter base para direcionar a melhor intervenção terapêutica.

Para minimizar os riscos de hipertensão, é importante reduzir a ingestão exagerada de sódio (sal) na alimentação, realizar atividade física regularmente e manter um estilo de vida longe do álcool e do cigarro.

Na idade avançada, o risco para hipertensão é maior devido à própria fisiologia do envelhecimento, que causa o acúmulo de gordura sobre as artérias, bem como o estreitamento do calibre de todos os vasos.

Essa condição contribui para aumentar a pressão sobre o coração e dificultar a contratilidade cardíaca, o que eleva os riscos para o surgimento de outras doenças igualmente perigosas.

2. Angina

Especialistas da área cardiovascular alertam que a angina do peito nem é propriamente uma doença, mas um sinal ou um importante alerta de que algo não vai bem. Por isso, essa anormalidade merece atenção especial.

A angina é caracterizada como uma dor forte e um desconforto na região central do tórax, e que parece sufocar devido à sensação de que respiração vai parar. Geralmente, esse quadro também está associado a questões de cunho emocional.

Em alguns pacientes, principalmente em cardiopatas já diagnosticados, a angina pode ter uma manifestação mais grave e irradiar para a região do pescoço, ombros e costas.

3. Cardiopatia isquêmica

Essa doença aparece quando as artérias responsáveis por conduzir o sangue ao coração entopem e, consequentemente, o órgão não é nutrido suficientemente. Essa interrupção de oxigênio provoca isquemia na parede da musculatura cardíaca e dificulta os batimentos do coração.

Geralmente, esse problema está associado à hipercolesterolemia, que é o aumento dos níveis de colesterol. A cardiopatia isquêmica também surge juntamente a distúrbios hormonais, como o hipotireoidismo e o diabetes.

Vale ressaltar que essa é uma doença com um alto grau de morbidade. Se não tratada a tempo, pode desenvolver complicações mais graves e evoluir para arritmias, insuficiência cardíaca descompensada ou até provocar uma parada cardíaca.

4. Aneurisma da aorta abdominal

O aneurisma aórtico é caracterizado por uma dilatação — que é preenchida com sangue localizada na porção da aorta que atravessa a região abdominal. O risco para a saúde se dá pois, com o passar do tempo, o aneurisma pode se romper e provocar uma hemorragia interna fatal.

Essa doença não tem uma causa determinada, mas a hipótese mais provável é que ela tenha relação com herança familiar ou resulte da fragilidade das paredes da aorta, problema que se agrava na terceira idade.

Dentre as doenças cardiovasculares em idosos, o aneurisma da aorta abdominal é uma das mais perigosas. Isso porque ela é difícil de ser diagnosticada, já que nem sempre aparece nos exames cardiológicos.

Dessa forma, é de extrema importância cuidar bem da saúde do coração e realizar exames periódicos, ainda que não haja sintomas claros. 

5. Arritmia

A arritmia é uma condição clínica que pode surgir paralelamente a outras enfermidades cardíacas ou ser desencadeada isoladamente. Em idosos, os riscos são bem maiores, visto que a própria degeneração característica da idade acentua as chances de alteração no ritmo cardíaco.

O principal sintoma dessa doença é a irregularidade dos batimentos cardíacos. Ela pode provocar a taquicardia, que são os batimentos acelerados, ou a bradicardia, que deixa os batimentos muito lentos.

Em geral, a arritmia se manifesta em decorrência de mudanças no sistema elétrico que coordena o trabalho do coração. Essas alterações no pulso cardíaco podem resultar, também, de outros quadros clínicos pré-existentes, como cardiomiopatia, bloqueio dos vasos do coração, hipotireoidismo, diabetes e hipertensão.

6. Valvopatias

As alterações na fisiologia ou os desajustes metabólicos que surgem naturalmente no envelhecimento influenciam o acúmulo ou provocam a redução de importantes minerais. Um dos quadros mais comuns dessa etapa da vida é a deposição de cálcio nas válvulas do coração.

O cálcio é um elemento modulador e de extrema relevância para a realização das atividades do músculo cardíaco. Entre outras funções, esse mineral controla a passagem do fluxo de sangue do coração para os tecidos do corpo.

No entanto, o acúmulo de cálcio deixa as artérias mais grossas, o que provoca o estreitamento do calibre e dificulta a passagem do sangue e de nutrientes. Isso provoca a dilatação das artérias e força o trabalho do coração.

Esse trabalho constantemente forçado prejudica a elasticidade dos vasos, provoca a dilatação das principais artérias e pode gerar mais complicações, como a insuficiência cardíaca.

Qual a importância de consultar um especialista em doenças cardiovasculares em idosos?

Como visto, a maioria das doenças cardiovasculares em idosos surgem em decorrência das alterações típicas da idade ou por influência de questões genéticas e de herança familiar. Outro fator que precisa ser levado em consideração é a relação intrínseca entre o estilo de vida moderno e os agravos à saúde do coração. 

Para quem vive em grandes cidades, principalmente da região sudeste do país, os hábitos contemporâneos impõem um ritmo de vida bem mais acelerado. Essa condição resulta em estresse, ansiedade e em outras desordens emocionais que reduzem a defesa imunológica e abrem as portas para o desenvolvimento de muitas doenças que podem aparecer na terceira idade.

Sendo assim, manter os cuidados com a saúde do idoso e ter uma rotina de consulta a médicos especializados é uma das formas de minimizar os impactos dessas doenças. Nesse sentido, buscar um cardiologista no Rio de Janeiro pode ajudar no controle das doenças cardiovasculares em idosos e proporcionar mais tranquilidade e bem-estar nessa etapa da vida.

Gostaria de receber mais informações sobre saúde do envelhecimento? Assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos como este diretamente em seu e-mail!