A expectativa de vida da população de países desenvolvidos ou emergentes (como é o caso do Brasil) tende a crescer, é, por isso, que o número de idosos no mundo aumenta gradativamente. Nossos avós viveram mais que nossos bisavós e, certamente, nossos pais também terão uma vida mais longa. Entretanto, há poucas evidências de que as pessoas vivem sua velhice com qualidade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS): “os sistemas de saúde do mundo não estão prontos para populações idosas.” Os idosos precisam de uma assistência médica especializada e regular, pois muitas doenças são mais frequentes durante essa fase da vida e o nosso organismo passa a demandar necessidades específicas.

Neste texto, mostraremos quais são as especialidades mais importantes para uma boa assistência médica para idosos. Ficou interessado? Então, acompanhe a leitura!

Geriatria

Não é à toa que os geriatras são chamados de médicos dos idosos. Embora os outros especialistas (como cardiologista, neurologista e endocrinologista) também tratem as doenças que aparecem durante a velhice, o acompanhamento de um geriatra é indispensável. Além de tratar a doença, esse médico também cuida do paciente em si.

O geriatra é, sim, um médico especialista, entretanto, ele não cuida apenas de um determinado órgão ou doença. Como já foi dito, esse médico cuida da saúde dos idosos de modo geral, portanto, sua atuação abrange todo o processo de envelhecimento, medicina preventiva, cuidados paliativos e tratamentos.

Em vez de fazer uma simples avaliação clínica, encontrar a doença e tratá-la com medicamentos, o geriatra buscará a causa desse problema e tentará identificar formas de resolvê-lo, mudando o estilo de vida do idoso. Entenda mais sobre as áreas que o geriatra atua, a seguir.

Prevenção

A medicina preventiva, resumidamente, se baseia no ditado “é melhor prevenir que remediar.” Vale lembrar de que existem vários tipos de prevenção. A primária evita ou posterga o aparecimento das doenças, o exemplo mais comum é a vacinação. A prevenção secundária está relacionada ao diagnóstico precoce das doenças, o que aumenta consideravelmente as chances de cura. Por fim, a prevenção terciária é o tratamento de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, para evitar o seu estágio avançado.

Acompanhamento

O acompanhamento que o geriatra faz com seus pacientes vai muito além de apenas alertá-los sobre doenças eminentes. O médico acompanha o envelhecimento do idoso, esclarece todas as suas dúvidas e o tranquiliza. A maioria dos idosos não gostam de ir ao médico, eles têm medo de estarem doentes e acabarem internados, por isso, a presença do geriatra é tão importante. O médico ajuda o idoso a lidar com as mudanças do passar dos anos, da melhor maneira possível.

Tratamento

Por último, mas não menos importante, o geriatra é o responsável pelo tratamento das doenças dos idosos. Caso a enfermidade precise da ajuda de um especialista, o geriatra deverá acompanhá-lo durante o tratamento.

O idoso que vai ao geriatra não deve abrir mão de consultas rotineiras com os médicos especialistas, e o contrário também é válido. Tanto os médicos especialistas quanto os geriatras são importantíssimos para uma assistência médica para idosos completa.

Cardiologia

O cardiologista é o profissional especialista no estudo das doenças do coração, vasos sanguíneos e sistema circulatório. Qualquer pessoa, em qualquer idade, pode necessitar dos cuidados de um cardiologista. Entretanto, é verdade que as doenças do coração aparecem em idosos com mais facilidade.

As doenças cardiovasculares são mais comuns depois dos 60 anos, porque o processo de envelhecimento causa mudanças na estrutura do sistema circulatório. As paredes dos vasos sanguíneos perdem parte da elasticidade, o que causa a sua rigidez. No miocárdio, o número de células musculares diminui e o depósito de células de gordura (adiposas) aumenta — e o mesmo acontece com o pericárdio. O coração como um todo fica mais rígido, ou seja, bombear sangue fica cada vez mais difícil. As doenças cardiovasculares mais comuns entre os idosos são:

  • hipertensão: pode estar associada ao exagero de sal, sedentarismo, histórico familiar ou envelhecimento dos vasos — o que aumenta a pressão sobre o coração;
  • insuficiência cardíaca: o músculo cardíaco enfraquece e dificulta o trabalho do coração, ocasionando na dificuldade de bombear o sangue;
  • cardiopatia isquêmica: as artérias ficam entupidas e deixam de fornecer oxigênio suficiente para o coração — caso não tratada corretamente, essa doença pode, até mesmo, causar uma parada cardíaca;
  • valvopatia: as válvulas responsáveis pela passagem de sangue sofrem o acúmulo de cálcio e, por isso, endurecem e ficam mais estreitas;
  • arritmia: as células que conduzem os impulsos nervosos, que fazem o coração contrair, se degeneram com o tempo e o coração começa a bater de forma irregular ou insuficiente.

Endocrinologia

Esse é o profissional que cuida das glândulas do corpo humano e das doenças que as afetam. As glândulas são responsáveis pela produção dos hormônios que regulam o corpo humano.

O processo de envelhecimento também interfere na produção de hormônios. O endocrinologista, além de detectar alguma deficiência hormonal, também deve recomendar qual é a nutrição mais adequada para aquele paciente. Visto que, durante a velhice, as pessoas precisam de mais vitaminas que o normal. Algumas pessoas podem, até mesmo, ficar intolerantes a algum tipo de alimento, conforme o passar dos anos, portanto, é o papel do endocrinologista detectar todas essas mudanças.

A escolha do endocrinologista deve ser feita com cuidado, pois muitos médicos não são tão cuidadosos e sensíveis quanto deveriam. Isto já foi dito, mas vale ressaltar: os idosos não gostam de se submeter a vários exames, tampouco de depender de uma lista gigantesca de remédios. O endocrinologista deve conversar tanto com o paciente quanto com seus familiares antes de pedir uma bateria de exames, o idoso precisa consentir com todas as decisões tomadas.

Na verdade, toda assistência médica de qualidade deve ser humanizada, o que significa que os médicos precisam se preocupar mais com o enfermo e menos com a enfermidade. Ao escolher o seu time de especialistas, certifique-se de que todos os médicos são qualificados e humanizados. O paciente deve fazer parte das escolhas médicas, afinal, é sua saúde que está em jogo.

Quer saber mais sobre como envelhecer com saúde? Está preocupado com o seu futuro? Então, entre em contato conosco e conheça mais sobre o trabalho da Longevitat!