banner agende uma consultaPowered by Rock Convert

O perfil da nova geração de idosos brasileiros está bem diferente daquelas pessoas que alcançavam essa idade nas décadas passadas. Nesse sentido, prezar pela autonomia do idoso torna o envelhecimento mais saudável e ativo e ainda possibilita mais qualidade de vida para esse grupo.

A velhice pode ser a etapa mais longa da vida de um ser humano. Por isso, quem vive com saúde tem a oportunidade de pensar em novos projetos de vida, de reinventar a própria história e dar novos significados à sua existência.

Nessa perspectiva, entenda como a autonomia do idoso é essencial para assegurar esse protagonismo fundamental à vida na terceira idade. Acompanhe a leitura e veja como promover essa condição e dar mais sentido ao envelhecimento. Boa leitura!

Qual a importância da autonomia do idoso para sua qualidade de vida?

Primeiramente, vamos diferenciar o conceito de autonomia de independência. A primeira é a capacidade de decisão, de poder garantir o comando da própria vida. Por sua vez, ser independente é conseguir fazer algo sozinho, com seus próprios meios, e sem a necessidade de contar com o auxílio de outras pessoas.

Assim, ter autonomia é ser protagonista de sua história, ter capacidade de direcionar a vida positivamente e assumir o poder de tomar decisões importantes, sem precisar delegar a outros esse poder. Esse princípio é essencial à manutenção do bem-estar, da saúde e da promoção da qualidade de vida na terceira idade.

No Brasil, o crescente envelhecimento da população está remodelando a nossa pirâmide etária e traz grandes desafios. Com essa nova configuração demográfica, presenciamos um momento muito singular de nossa história.

A participação cada vez mais ativa desses atores sociais idosos contribui, de modo mais efetivo, para o fortalecimento da economia brasileira. Eles têm participação ativa na renda familiar, atuam em diferentes programas educativos, de lazer, esportivos e culturais e em outros espaços com atividades voltadas para essa faixa etária.

Assim, preservar a autonomia dos idosos valoriza a ideia de que as pessoas com idade mais avançada têm um papel vital e indispensável na sociedade. Logo, é de inteira responsabilidade de todos respeitar e acolher essas pessoas e promover a integração delas para o benefício da própria sociedade.

Por que o idoso precisa manter sua autonomia? 

Para garantir a participação do idoso como um importante ator social, é imprescindível que as pessoas de círculo de convivência, principalmente familiares, médicos e cuidadores participem mais efetivamente desse processo.

É preciso buscar ações que priorizem a preservação da autonomia — e também da independência — dessas pessoas. Listamos algumas medidas que podem ser benéficas para o alcance dessa meta. Veja quais são!

Elevar a autoestima

Manter uma boa autoestima ajuda o idoso a enfrentar melhor os desafios dessa idade. No que se refere ao aspecto psicológico, cuidar da autoestima influencia o bem-estar mental e ajuda a controlar as emoções e a estimular pensamentos mais positivos.

Ser mais ativo socialmente

Na terceira idade, os familiares responsáveis pelos idosos ou o cuidador profissional devem estar atentos a alguns detalhes para minimizar os riscos de doenças típicas do envelhecimento, como a depressão e as demências.

Quanto mais sozinha a pessoa idosa ficar, maiores serão as possibilidades de desenvolver doenças emocionais crônicas como a depressão e os transtornos de ansiedade. Ter uma vida social mais ativa ajuda a reduzir esses riscos.

Logo, é importante estimular a participação do idoso em atividades coletivas e mais propícias a essa idade. Viagens em grupos, aulas de dança, caminhadas e o envolvimento em trabalhos voluntários, além de promover a autonomia do idoso, trazem excelentes benefícios à saúde mental e física.

Envelhecer com mais qualidade de vida 

Em nosso país, as últimas estatísticas divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) destacam que a expectativa de vida dos brasileiros aumentou para 75,8 anos. Porém, para que esse avanço na idade seja realmente visto como uma conquista, é preciso agregar critérios que garantam mais qualidade de vida durante a velhice.

Diferentes aspectos influenciam a qualidade do envelhecimento. Entre outros fatores relevantes, destacam-se a alimentação equilibrada, a prática regular de atividade física e o cuidado com as emoções. Além disso, para promover a autonomia do idoso, o convívio familiar e social mais saudável não pode ser negligenciado.

Como promover a autonomia do idoso?

O primeiro quesito importante é aprender a respeitar o poder de decisão deles. O idoso que alcança a terceira idade com lucidez deve ter a sua independência e capacidade cognitiva respeitadas. 

Os responsáveis pelos idosos devem garantir um suporte nas atividades de rotina e estar sempre atentos para perceber alguma variação no grau de funcionalidade e de dependência. Porém, é preciso ter habilidade para ajudar no que for preciso e estipular o limite entre o que o idoso pode decidir sozinho ou não.

Listamos alguns aspectos que favorecem a promoção da autonomia do idoso. Confira!

Estimular o cérebro

O cérebro é um dos órgãos que mais precisam ser exercitados para não perder as capacidades funcionais essenciais à manutenção da autonomia do idoso. Algumas atividades são excelentes para ativação da memória e do raciocínio. Uma das melhores propostas para manter o envelhecimento ativo é o estímulo ao ingresso em uma universidade sênior. Além de voltar a estudar, o idoso se sente mais útil e se envolve com pessoas do mesmo perfil e com interesses em comum.

Esse estímulo ao cérebro é essencial para afastar problemas de saúde que normalmente surgem nesse ciclo da vida. Exercícios como cálculos, jogos de carta ou videogames também auxiliam bastante as atividades dos neurônios.

Praticar exercícios físicos

Ainda que o processo de envelhecimento não possa ser travado, a prática regular de exercícios ajuda a manter o fluxo sanguíneo mais eficiente. Isso é fundamental para garantir a nutrição das células e tecidos e dificultar o envelhecimento delas.

A manutenção da autonomia do idoso depende da integração de muitos fatores. Porém, a disposição física e a saúde mental equilibrada ajuda a garantir a vitalidade necessária para atingir esses objetivos. 

Manter o acompanhamento com a equipe de saúde

O desgaste natural do organismo ocorre gradativamente e vai aumentando com o passar dos anos. Isso torna a terceira idade mais vulnerável às doenças associadas ao envelhecimento.

Contudo, é preciso estimular as pessoas idosas a viverem de forma dinâmica e segura. A passagem do tempo deve ser percebida como algo inevitável, mas que seja naturalmente enfrentado com tranquilidade e harmonia.

Tendo isso em vista, tanto a visita periódica ao médico como o acompanhamento da equipe multidisciplinar torna-se imprescindível ao controle dos problemas do envelhecimento. A atenção à saúde é um dos pontos mais relevantes para minimizar os efeitos degenerativos do tempo e assegurar meios de promover a autonomia do idoso.

E você, teria alguma opinião diferente sobre o tema? Compartilhe-a com nossos leitores e participe de nossas publicações. O espaço abaixo está reservado para isso!