Nas últimas décadas, o crescimento da expectativa de vida do brasileiro sinaliza algumas exigências e responsabilidades. Entre elas, a necessidade de se pensar em alternativas para melhorar a qualidade de vida do idoso é uma das mais importantes.

O prolongamento da vida só pode ser considerado como uma real conquista se, a esses anos adicionais, forem agregados condições que possibilitem uma longevidade cada vez mais saudável e tranquila.

Mediante isso, abordaremos seis dicas e orientações sobre como melhorar a qualidade de vida do idoso e promover um envelhecimento ativo. Acompanhe! 

1. Cuidados com a alimentação

Durante a terceira idade, o corpo passa por diversas mudanças e, com elas, surge a necessidade de adaptação dos hábitos alimentares. Ter esse cuidado específico indica mais chances de manter os órgãos e os sistemas funcionando adequadamente. No envelhecimento, as necessidades nutricionais mudam gradativamente ao passo que as alterações fisiológicas se tornam mais perceptíveis. Por isso, o responsável familiar — ou o cuidador de idosos contratado pela família — deve ficar atento a essas questões.

As diferenças na carga hormonal exigem maior trabalho do metabolismo, porém, devido à perda gradual das funções, nem sempre essa resposta do corpo é satisfatória. Com isso, podem surgir restrições dignas de atenção especial. Algumas dicas de alimentação são essenciais à manutenção da saúde e à qualidade de vida do idoso. Observe:

  • evitar alimentos processados industrialmente;

  • reduzir a quantidade de sal e de açúcar na comida;

  • incluir todos os nutrientes básicos na alimentação diária, como vitaminas, proteínas e minerais;

  • priorizar a ingestão de alimentos que contenham cálcio, fibras e colágeno;

  • garantir a ingestão de 2 litros de água por dia, já que nos idosos o risco de desidratação é maior.

2. Prática de exercícios físicos 

A prática de exercícios físicos é um dos aspectos fundamentais para manter a saúde em dia em qualquer fase da vida. Para os idosos, as atividades são recomendadas desde que eles tenham uma condição física equivalente à exigência dos exercícios.

Entretanto, na terceira idade, mesmo os exercícios físicos mais suaves têm o potencial de auxiliar na manutenção da saúde. Assim, o ideal é que a prática ocorra sob supervisão de um profissional — ele será responsável por regular a intensidade dos exercícios conforme o perfil do idoso.

Durante o envelhecimento, a realização de atividade física regular é importante para:

  • melhorar a atividade do coração;

  • estimular as funções respiratórias;

  • controlar os níveis da pressão arterial;

  • estimular as funções do sistema imunológico;

  • ajudar na recuperação da confiança e da autoestima;

  • melhorar a memória, a concentração e o raciocínio lógico.

3. Estímulo das atividades intelectuais

Estimular as atividades intelectuais é uma das melhores alternativas para manter a autonomia do idoso, o que é essencial para o envelhecimento saudável. Quem cuida de idosos precisa ter habilidade para convencê-los de que a mente, assim como os músculos do corpo, também deve ser exercitada.

Vale destacar a intensa relação entre o estilo de vida e os hábitos cultivados ao longo da existência com a saúde no envelhecimento. Quem teve um cérebro bem ativo durante a juventude possivelmente terá uma mente mais conservada ao envelhecer.

Listamos algumas práticas importantes para retardar o efeito do declínio natural das funções cognitivas que acompanham o envelhecimento. Observe com atenção:

  • ler e escrever diariamente;

  • jogar cartas, montar quebra-cabeças e jogo da memória;

  • usar a internet, descobrir novos aplicativos e funções das máquinas;

  • aprender novas atividades, como dança, teatro ou tocar um instrumento musical.

4. Interação social saudável

Um dos maiores desafios inerentes à terceira idade é o aumento da incidência de depressão entre os idosos. Além da maior vulnerabilidade a doenças típicas da idade, esse fenômeno tem forte relação com o isolamento social do idoso. Após a aposentadoria, o indivíduo que estava acostumado a manter uma vida ativa e a conviver com colegas de trabalho e amigos torna-se mais exposto à ansiedade e ao desequilíbrio emocional.

Nesse contexto, buscar formas para alcançar a longevidade de uma maneira emocionalmente saudável é uma das maiores preocupações da geriatria, cuja especialidade se concentra na promoção do envelhecimento ativo e saudável.

Confira algumas ações para aumentar o convívio social e melhorar a qualidade de vida do idoso:

  • viajar com grupos de terceira idade;

  • participar de eventos e ações de voluntariado;​

  • promover a integração em programas culturais e artísticos;

  • combinar encontros semanais entre os membros das famílias;

  • incentivar o envolvimento em festas voltadas para a terceira idade;

  • deixar os netos (e os amiguinhos deles) na casa dos avós nos finais de semana.

5. Boa administração financeira

Fazer um planejamento financeiro ao longo da vida é imprescindível para garantir maior tranquilidade durante o envelhecimento. Nesse sentido, cuidar bem das finanças é muito importante para assegurar a qualidade de vida do idoso. Afinal, nem sempre a verba da aposentadoria é suficiente para cobrir todas as despesas. Com isso, as preocupações com dinheiro — ou a falta dele — são consideradas fonte de estresse e de muita ansiedade.

Portanto, é fundamental priorizar medidas que propiciem a estabilidade financeira. Além disso, mesmo após a aposentadoria, é possível manter alguma atividade remunerada. Evidentemente, nessa etapa da vida, o ideal é se envolver com atividades menos desgastantes e que sejam uma fonte de renda complementar.

Algumas das vantagens da boa administração financeira para melhorar a qualidade de vida do idoso são:

  • evita a ociosidade;

  • eleva a autoestima;

  • preserva a autonomia;

  • melhora o raciocínio lógico;

  • reduz o senso de inutilidade;

  • possibilita que o idoso tenha controle sobre o seu próprio dinheiro;

  • permite a realização de atividades mais leves, mas que garantam algum retorno financeiro. 

6. Atenção à saúde emocional

Para melhorar o bem-estar e assegurar uma vida mais tranquila e harmônica na terceira idade, é preciso desmitificar algumas ideias que remetem o envelhecimento a sensações ruins, como medo, solidão e frustração. O idoso moderno precisa se conectar a uma imagem mais positiva de si mesmo e aproveitar as experiências emocionais adquiridas para a construção de uma nova perspectiva de vida.

Cuidar da saúde emocional traz um novo significado à vida, reduz o impacto das doenças mentais e contribui para uma postura que pode ampliar a felicidade nessa etapa da vida.

Além desses benefícios, a atenção à saúde emocional também possibilita:

  • disposição para se envolver em diferentes tarefas;

  • compreensão e aceitação das limitações da idade;

  • resiliência e paciência para resolução de conflitos;

  • melhoria das relações familiares, afetivas e sociais;

  • empoderamento para superar os desafios intrínsecos à terceira idade.

Percebe-se, por fim, a importância de uma visão mais positiva da vida para alcançar um envelhecimento ativo. Uma postura equilibrada e consciente dos desafios inerentes à terceira idade é determinante para assegurar o bem-estar e a qualidade de vida do idoso.

Gostou deste artigo? Então, confira também as vantagens de uma clínica especializada no envelhecimento saudável